RABDOMIÓLISE: OS PERIGOS DO EXCESSO DE EXERCÍCIOS.

No último dia 19 de fevereiro, um atleta amador faleceu em uma prova de MTB em Maringá-PR. O motivo? RABDOMIÓLISE! Afinal, você sabe o que é isso?

Falando em bom português, rabdomiólise é um rompimento nos músculos que solta toxinas direto na corrente sanguínea. Segundo relatos, na véspera da prova o atleta tinha andado 65 km ,no dia da prova em pleno calor ,ele caiu no km 30.

Essa doença pode ser causada por uma variedade de fatores. Existe uma distinção entre rabdomiólise traumática e rabdomiólise dependente, ou não, de carga. A rabdomiólise dependente de carga pode ser resultado de uma atividade física extenuante ou treinamento excessivo.

Embora este tipo de rabdomiólise seja extremamente raro e represente cerca de apenas 1% dos casos diagnosticados, é importante saber se prevenir e como identificar e agir caso ocorra com você.

Além de sintomas inespecíficos como febre, vômitos, diarreia, náusea e fadiga severa (que podem ser sintomas de outras doenças), sintomas como músculos inchados, amolecidos e doloridos são as indicações mais claras da doença. Médicos e pacientes afetados reportam dor muscular severa, que é claramente diferente da dor que o músculo dolorido por exercício causa. Como uma dica final, quando a urina se tornar vermelha-amarronzada, você deve consultar um médico imediatamente. Nesse ponto a falência renal pode ser iminente ou inclusive já ter ocorrido. A progressão da doença não pode ser interrompida pelo próprio atleta, ou seja, estratégias como tomar bastante água não vão ajudar nesse caso.

No geral, todos que treinam além do seu limite individual como, por exemplo, treinam excessivamente e ignoram os sinais de alerta como fadiga muscular extrema e dores musculares, podem ser afetados. Na maioria dos casos isso se aplica a pessoas que estão fora de forma ou atletas que querem retomar atividades anteriores depois de uma longa pausa. Mas até mesmo Atletas Livres experientes correm risco. Quando o corpo pede uma pausa, ouça! Não seja tão ambicioso quando as coisas estão dando errado e não se sinta obrigado a ceder a pressão do grupo! Se você tem fortes motivos para acreditar que está apresentando sintomas de rabdomiólise, por favor, consulte um médico imediatamente. Aqui vai uma checklist que pode ajudar você e seu médico a identificar mais rapidamente a doença.

Como eu posso me prevenir?

Primeiro, não entre em pânico! Como mencionado acima, Rabdomiólise causada por treinamento (excessivo) é extremamente rara. Atletas livres avançados já conhecem muito bem os limites do seu próprio corpo e devem continuar melhorando, determinando novos e melhores estímulos de treinamento de maneira contínua. Treinamento inteligente é o único caminho para fortalecer seus músculos e seu corpo como um todo, de forma a reduzir o risco dessa doença. De qualquer forma, hábitos saudáveis vem em primeiro lugar! Por essa razão, nós gostaríamos de destacar de novo que voce nunca deve treinar com os músculos muito doloridos. Treinar com músculos muito doloridos pode causar sérios danos musculares e até desencadear algum tipo de trauma.

Ao invés disso, se concentre um regenerar seus músculos suficientemente, promovendo essa regeneração. Quantidade e qualidade de sono somados à uma dieta balanceada, rica em vitaminas e minerais são o alfa e o ômega!

O que evitar em qualquer caso:

Treinar junto com ingestão de álcool, drogas, medicações (pesadas) ou estando doente deve ser absolutamente evitado por qualquer Atleta Livre. Essas combinações não só aumentam significativamente o risco de rabdomiólise, como também podem trazer muitas outras complicações e perigos à sua saúde que não podem sempre ser previstos. Você também deve evitar o uso de esteróides, substâncias anabólicas ou ameaçadores “power boosters”, impulsionadores de potência e energia, vendidos na internet, sobre os quais se sabe muito pouco a respeito dos ingredientes.

Tome cuidado para nao se exercitar em temperaturas extremas – independente de ser quente ou fria. A carga no corpo como um todo é simplesmente grande demais em temperaturas muito altas ou abaixo de zero. Além de possíveis problemas circulatórios, inflamações das vias aéreas e doenças agudas, as circunstâncias extremas significam para o corpo uma dificuldade de lidar com os estímulos do treino. Isso pode levar a falsas reações no corpo, como colapso da musculatura estriada.

De qualquer forma, com os músculos muito doloridos e em temperaturas extremas o exercício não é divertido e por isso deve ser evitado.

No entanto, a regra geral é ouvir o seu corpo e a sua condição – sempre! Como um Atleta Livre é particularmente importante que você desenvolva uma certa consciência corporal para sempre ouvir seu corpo, especialmente se ele está te enviando sinais de alerta! Duas das coisas mais importantes que são grandes sinais de alerta são dor e exaustão severa. Essas são as maneiras que o corpo tem de dizer que você chegou no seu limite – no treino ou até durante seu descanso. Se você ignorar esses sinais você estará assumindo um grande risco que vai totalmente contra as idéias por trás do Freeletics. Faça pausas durante o treino se precisar, use sua inteligência e desista se for demais pra você. Mas, acima de tudo, se houver fortes sinais, vá a um médico – melhor prevenir do que remediar.

Abraços e boas corridas!

fonte:  freeletics.com 

Comentários estão fechados.